Logo Vaxxinova
Entrar ou criar conta
  • Faça o login preenchendo os campos abaixo.

    Fechar
  • Cadastre-se e tenha acesso aos nossos conteúdos exclusivos!

    Fechar
Logo Vaxxinova

Eficácia da aplicação concomitante de vacina de clostridiose e brucelose em fêmeas bovinas

Como lidar com a necessidade de realização de várias vacinas em um único manejo?

Uma prática comum em fazendas é a aplicação de vacinas no manejo dos bovinos. Geralmente esses manejos seguem um cronograma chamado calendário vacinal ou calendário sanitário. Entre os diversos tipos de produção que temos em nosso país continental, encontramos realidades distintas e bem diversificadas numa região as vezes homogênea, encontramos vários tipos de realidades distintas nessas propriedades assistidas. Para facilitar as condições de manejo e reduzir o estresse e desconforto dos animais, é comum nas propriedades a administração conjunta de vacinas com diferentes antígenos, e até mesmo outros fármacos como vermífugos, melhoradores de desempenho, carrapaticidas, aplicados no mesmo dia no animal. Mas será que essa prática pode gerar algum prejuízo à construção da imunidade desses animais?

Pensando em responder essa dúvida, o pesquisador Hilton Diniz conduziu um experimento avaliando a eficácia da produção da resposta imune com vacinas aplicadas em um único manejo. Avaliou a vacinação concomitante contra brucelose e clostridioses, uma prática corriqueira no cotidiano das propriedades rurais.

A brucelose é uma doença bacteriana mundialmente disseminada, de caráter zoonótico e por isso, de grande importância em saúde pública e animal. As perdas atribuídas à brucelose bovina são estimadas em aproximadamente R$ 892 milhões, sendo que cada aumento ou redução de 1% na prevalência da doença corresponde à perda ou ganho, de aproximadamente R$ 155 milhões. Estimativas do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) apontam que a brucelose gera perdas da ordem de 20% a 25% na produção de leite e redução do tempo de vida produtiva dos animais, o que exige uma taxa de reposição de cerca de 30% e, consequentemente, gera custos para o produtor. Em 2001, o MAPA criou o Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e da Tuberculose (PNCEBT) com o objetivo de promover o controle nos estados que tinham como meta diminuir os números de zoonoses, a proposta era e continua sendo caminhar para a erradicação. As estratégias de atuação dividem-se em medidas obrigatórias e voluntárias. Entre as obrigatórias constam a vacinação contra brucelose e o controle de trânsito animal.

As clostridioses são doenças causadas por bactérias do gênero Clostridium e estão entre as principais enfermidades que acometem os animais domésticos, com elevadas taxas de morbidade e mortalidade. No Brasil, não existe um programa de controle específico para as clostridioses, a vacinação é a principal medida preventiva contra as clostridioses, sendo responsável por redução significativa na taxa de mortalidade dos animais dentro do rebanho e redução das perdas econômicas.
De uma forma geral, nas vacinas inativadas, como no caso das vacinas contra clostridioses, os antígenos atuam como antígenos exógenos, e estimulam respostas de linfócitos CD4+ Th2. Os linfócitos Th2 auxiliam no desenvolvimento da resposta imune mediada por anticorpos, animais primovacinados necessitam de uma segunda dose reforço para promover memória imunológica mais eficaz.

Já o mecanismo envolvido pela vacina da Brucelose a imunidade celular é o principal mecanismo envolvido. Esse padrão de resposta imunológica é fundamental quando se trata da resistência à infecção por Brucella abortus. A geração de células de memória é fundamental na proteção a longo prazo, uma vez que, após segunda exposição ao antígeno, as células do sistema imune já se encontram aptas a reativarem rapidamente e realizarem sua função. Assim sendo a aplicação de uma única dose suficiente para promover resposta imune para o caso da brucelose.

Mas voltando a pergunta inicial desse artigo. Vacinar no mesmo dia bezerras contra brucelose e clostridiose pode ser prejudicial? Segunda a pesquisa do pesquisador Hilton Diniz, orientado pela professora da UFMG Sandra Gesteira Coelho, a resposta é sim! Pode ser prejudicial. A vacinação concomitante de vacinas contra esses dois patógenos impacta a imunidade animal contra infecções clostridiais. As duas vacinas devem ser aplicadas separadamente.

Então caro pecuarista, quando for vacinar suas bezerras contra brucelose, separe uma data apenas para esse manejo. E se surgir alguma dúvida, pode entrar em contato com nossa equipe técnica de campo que eles estão totalmente preparados para te ajudar!

Tabela com detalhes da vacinação

Esquema de vacinações
Esquema de vacinações